Fonte: www.itaucultural.org.br

Pintor, desenhista, escultor, gravador. Carlos Bernardo Bracher (Juiz de Fora MG 1940) é filho do compositor Waldemar Bracher e tem dois irmãos pintores. Começa a pintar na infância vasos e pratos na fábrica de louças de seu pai. É estudante da Faculdade de Química, quando começa a estudar pintura por conta própria. Freqüenta a Sociedade de Belas Artes Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, por volta de 1959. Entre 1965 e 1966, em Belo Horizonte, estuda composição e análise crítica com Fayga Ostrower e história da arte com Frederico Morais, na Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. Aprende técnicas de mural e de mosaico com Inimá de Paula, na Escola Municipal de Belas Artes, e tem aulas com Orlandinho Seitas Fernandes sobre barroco mineiro. Em 1967 recebe o prêmio viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro e vai à Europa estudar pintura, permanecendo principalmente em Paris e Lisboa, onde estuda a obra de Almada Negreiros e de Fernando Pessoa, além de expor em galerias locais. Percorre vários outros países europeus e visita os Estados Unidos. Em 1968, ganha o Prêmio Revelação do Ano, concedido pelo Jornal do Brasil, no Rio de Janeiro. Quando retorna ao Brasil, em meados de 1970, fixa residência em Ouro Preto MG, iniciando uma fase de diversas exposições em capitais brasileiras. É premiado com o Hilton de Pintura, prêmio concedido a artistas que mais se destacam no Brasil nos anos 70, junto com Tomie Otake, Siron Franco e outros . Em 1989 é realizada a exposição itinerante Pintura Sempre, uma retrospectiva que percorre São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte. No ano seguinte, pinta 100 quadros em homenagem ao centenário da morte de Van Gogh e leva a exposição pelo Brasil e pelas cidades onde o pintor morou. São editados cinco livros sobre sua obra: Bracher, considerado o melhor de livro de arte de 1989; Homenagem a Van Gogh; Bracher - do Ouro ao Aço; Carlos Bracher : da Mineração da Alma e Carlos Bracher,além de vários vídeos sobre sua vida e obra.


NASCIMENTO
1940 - Juiz de Fora MG - 19 de dezembro

LOCAIS DE VIDA
1940 - Juiz de Fora MG
1967c. /1971c. - Europa, principalmente Paris (França) e Lisboa (Portugal)
1971 - Ouro Preto MG

VIDA FAMILIAR
Filho do compositor Waldemar Bracher
1968c. - Casa-se com a pintora Fani Maria Gomes, que adota o sobrenome Bracher

FORMAÇÃO
1957 - Juiz de Fora MG - Ingressa na Faculdade de Química
1959c. - Juiz de Fora MG - Freqüenta a Sociedade de Belas Artes Antônio Parreiras
1965 / 1966 - Belo Horizonte MG - Estuda composição e análise crítica com Fayga Ostrower e história da arte com Frederico Morais, na Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. Aprende técnicas de pintura em mural e mosaico com Inimá de Paula, na Escola Municipal de Belas Artes e tem aulas com Orlandinho Seitas Fernandes sobre barroco mineiro
1967c. / 1969c. - Lisboa (Portugal) - Estuda a obra de Almada Negreiros e de Fernando Pessoa

VIAGENS
1961/1964 - Minas Gerais - Visita várias cidades históricas
1967 - Ganha o prêmio viagem ao exterior e vai à Europa estudar pintura, permanecendo principalmente em Lisboa e Paris
1968/1970c. - Europa e EUA - Permanece algum tempo em Paris e Lisboa onde estuda a obra de Almada Negreiros e Fernando Pessoa com os historiadores e críticos de arte José Augusto França e Rui Mário Rui. Depois percorre vários países europeus e visita os Estados Unidos

ATIVIDADES EM ARTES VISUAIS
1989 - Realiza a retrospectiva Pintura Sempre, comemorando 30 anos de trabalho
1990 /1992- Para comemorar o centenário da morte do pintor Van Gogh, resolve pintar uma série de 100 quadros intitulada Homenagem a Van Gogh, e os expõe em diversas galerias no Brasil e no exterior

HOMENAGENS / TÍTULOS / PRÊMIOS
1968 - Rio de Janeiro RJ - Ganha o prêmio Revelação do Ano pelo Jornal do Brasil
1987 - Belo Horizonte MG - É lançado o Suplemento Literário Carlos Bracher - A Epifania do Ser (Trinta Anos de Pintura), na Arte Galeria
1989 - s.l. - É editado pela Editora Métron, o livro Bracher, considerado o melhor livro de arte do ano pela APCA


ESCOLAS/MOVIMENTOS
Figurativo: Expressionismo, Fovismo

GÊNEROS/TENDÊNCIAS
Paisagem, Marinha, Natureza-Morta, Flores, Retrato, Auto-Retrato, Interior, Composição Figurativa


TEXTOS CRÍTICOS

"Todo mundo da área sabe que a moda atual é a da ´nova´ pintura. Isto é: ser de vanguarda, nesse instante, consiste em lidar de novo com telas, tintas a óleo, muitos gestos, muitas cores e muita declaração de amor a essa milenar atividade. Por antítese, há de existir ainda uma pintura ´velha´, a dos puramente acadêmicos. E é um prazer descobrir que também existe a pintura ´de sempre´, que não é antiga nem recente, e sim acima das contingências do momento. Esta é a pintura praticada pelos que poderíamos chamar de ´resistentes´. Artistas que acreditaram com força em seu talento e em sua linguagem e ousaram não se submeter aos modismos e pressões a seu redor. Um desses resistentes é certamente o mineiro Carlos Bracher. Desde que se entendeu por gente e por artista, ele se dedicou a uma pintura figurativa, de filiação expressionista, fundada em técnicas tradicionais que ele dominava com perfeição. (...) Suas cores são escuras e densas, mas, paradoxalmente, não são trágicas, sombrias. (...)"

Olívio Tavares de Araújo

in CARLOS Bracher: marinhas. Prefácio de António Carlos L. de Figueiredo. Apresentação de Olívio Tavares de Araújo. Belo Horizonte: Matiz Arte Galeria, 1987.



”Carlos Bracher faz parte de uma família de pintores que se inicia com Grunewald, Rembrandt, Goya, chegando a Van Gogh e aos expressionistas alemães do início desse século. Bracher pertence a essa família de artistas que fazem a catarse de seus demônios pessoais ao mesmo tempo que veiculam a catarse dos demônios de sua época. A pintura de Bracher é exorcista, e por seu intermédio extravasam emoções, individuais e coletivas. (Como dizia Pound, o artista possui as ‘antenas da espécie’). Poderia acrescentar que é, também uma pintura homeostática : garante a seu autor condições de equilíbrio psíquico e sobrevivência no universo. Embora muito bem camuflados, existem em Bracher conteúdos tensos, ansiosos, obsessivos”

Olívio Tavares de Araújo

ARAÚJO, Olívio Tavares de. In : Extraído do texto”Talento à flor da pele”. Jornal Hoje, Belo Horizonte, 4 de mai. de 1989




“Não há em Bracher esse compromisso de fidelidade à realidade objetiva, com suas relações de volume e espaço, de cor e sensação luminosa. Muito pelo contrário, os motivos que pinta são pretextos para a aventura pictórica(visionária?), para o mergulho num universo indeterminado de formas e luzes, de onde surgirá o quadro, a obra de arte, que é o mundo transfigurado. Bracher aprendeu essa magia. Não tem dela a teoria, não será capaz de aprendê—la analiticamente. Mas sabe-a com as mãos. E a produz, transformando a matéria impenetrável do mundo em pasta colorida e caligrafia poética. Em suma, numa linguagem criada pelo homem e que se chama pintura.

Ferreira Gullar

FERREIRA GULLAR. In: NUANCE GALERIA DE ARTE. catálogo. Belo Horizonte, 1995



“Encontrei-me com Minas Gerais através da pintura de Carlos Bracher. É o maior elogio que, de coração , lhe posso fazer”


Carlos Drummond de Andrade. 1979


DEPOIMENTOS

“. . . Eu tenho uma identificação estilística muito forte com Van Gogh. A pintura dele é muito caótica, desordenada. Eu sou um anti-Cézanne, por exemplo. Tenho paixão por Cézanne, mas nunca faria uma pintura como a dele. É a antítese de mim. Meu trabalho é mais mórbido, complexo, trágico. Meu pensamento é ilógico. Isso é da minha natureza. Na desordem eu me ligo a Van Gogh. E é na desordem que tenho que construir minha ordem”. . .

Carlos Bracher

BRACHER, Carlos. In : “Bracher supera fase Van Gogh”. Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte, 20 de ago. de 1992



“A possibilidade da paisagem. Este dramático e mágico exercício de compreendê-la. De enaltecê-la. Há muitos e muitos anos permanece este meu convívio com ela, como fonte e caminho do meu trabalho. Meus olhos a tem procurado e percebo como se torna infinito conquistá-la. Aind que minha paixão se volte para ela com todo o fervor, a paisagem se torna cada vez mais insondável e imensa. Este poder magnífico da terra, do solo onde pisa, do céu, do mar, de árvores e montanhas. É toda e a própria vida, este ar que respiramos, o sol, os verdes e aquele vigoroso crepúsculo que se põe, prenunciando a noite, gigantesco acontecimento, o da paisagem. . . ”

Carlos Bracher

BRACHER, Carlos. In : MAM / RJ. Destaques Hilton de Pintura : catálogo. Rio de Janeiro, 1980


OUTROS TEXTOS

Para Carlos Bracher

“A tua mão, pintor, e a fúria tua pincelando meu rosto,
a tua mão, pintor, e os olhos teus em fúria pincelando
morros e casas dentro do meu rosto,
a tua fúria, pintor, e eu em tuas mãos,
em teus morros, casas, portões e rosto

Eu nunca tinha visto, só nos livros e filmes
Um tal arrebatamento de artista :
Parecias um Quixote com lanças, pincéis e as pás
Dos teus moinhos movendo a tinta das noites
O alvoroço dos teus gestos iluminava a criação
no mês de agosto

Sim, numa tela de agosto nos revemos
pintando na conversa as cores da remota infância
Na moldura deste agosto agora nos expomos :
- há fúria e espanto na face do poeta e do
pintor ante o que somos “


Affonso Romano de Sant´Anna


SANT´ANNA, Affonso Romano de. In : ARS, ARTIS GALERIA. : catálogo. São Paulo, 1984” “””vida e obra e os grandes críticos nacionais escreveram sobre ela.
Exposições realizadas
  • EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

  • 1968 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria Guignard

  • 1968 - Juiz de Fora MG - Individual, no Museu Mariano Procópio

  • 1968 - Juiz de Fora MG - Individual, na Galeria Celina

  • 1968 - Goiânia GO - Individual, na Galeria Azul

  • 1968 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Oca

  • 1968 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Itália

  • 1969 - Lisboa (Portugal) - Individual, no Palácio Foz

  • 1969 - Lisboa (Portugal) - Individual, no Museu de Évora

  • 1970 - Paris (França) - Individual, na Galerie Debret

  • 1971 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria Guignard

  • 1971 - Juiz de Fora MG - Individual, na Galeria Celina

  • 1972 - Brasília DF - Individual, na Galeria Mainline

  • 1974 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1975 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria AMI

  • 1975 - Brasília DF - Individual, na Oscar Seraphico Galeria de Arte

  • 1976 - Juiz de Fora MG - Individual, na Galeria Pró-Música

  • 1977 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1977 - Roma (Itália) - Individual, na Galleria d´Arte del Brasil, Palazzo Pamphilli

  • 1978 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria AMI

  • 1978 - Milão (Itália) - Individual, na Galeria d´Arte Italo-Brasiliana

  • 1978 - Ouro Preto MG - Individual, na Faculdade de Ouro Preto, FAOP

  • 1978 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria AMI

  • 1978 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráfico

  • 1978 - Brasília DF - Individual, na Galeria Portal

  • 1979 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1980 - Cataguases ? - Individual, na Gal-Art

  • 1980 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráfico

  • 1981 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria AMI

  • 1982 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráfico

  • 1982 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1982 - Curitiba PR - Individual, na Galeria Ida e Anita

  • 1983 - Londrina PR - Individual, na Galeria ArteNossa

  • 1983 - Chile - Individual, no Museu de Arte Contemporânea

  • 1984 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Ars Artis

  • 1984 - Rio de Janeiro RJ -Individual, na Galeria Bonino

  • 1985 - Salvador BA - Individual, na Galeria Época

  • 1985 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráfico

  • 1985 - Madri (Espanha) - Individual, na Galeria da Casa do Brasil

  • 1985 - Haia (Holanda) - Individual, na Galeria da Embaixada Brasileira

  • 1985 - Brasília DF - Individual, na Oscar Seraphico Galeria de Arte

  • 1985 - Roma (Itália) - Individual, no Palazzo Doria Pamphilli

  • 1986 - Juiz de Fora MG - Individual, na Galeria da Baronesa

  • 1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1987 - Belo Horizonte MG - Marinhas, na Matiz Arte Galeria

  • 1987 - Curitiba PR - Individual, na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1989 - São Paulo SP - Individual, na Sadalla Galeria de Arte

  • 1989 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino

  • 1989 - Belo Horizonte MG - Caminhos da Liberdade, na Secretaria de Estado da Cultura

  • 1989 - Curitiba PR - Carlos Bracher : Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no MAC

  • 1989 - Brasília DF - Carlos Bracher : Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no Teatro Nacional de Brasília

  • 1989 - São Paulo SP - Carlos Bracher :Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no Masp

  • 1989 - Belo Horizonte MG - Carlos Bracher :Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no Palácio das Artes

  • 1989 - Ouro Preto MG - Carlos Bracher :Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no Museu da Inconfidência

  • 1989 - Juiz de Fora MG - Carlos Bracher :Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no Espaço Cultural Bernardo Mascarenhas

  • 1989 - Rio de Janeiro RJ - Carlos Bracher :Pintura Sempre - exposição comemorativa de 30 anos de trabalho, no MNBA

  • 1990 - Belo Horizonte MG - Homenagem a Van Gogh, no Museu de Arte

  • 1990 - São Paulo SP - Homenagem a Van Gogh, na Galeria Sadalla

  • 1990 - Curitiba PR - Homenagem a Van Gogh, na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1990 - Rio de Janeiro RJ - Homenagem a Van Gogh, na Galeria Bonino

  • 1990 - Rio de Janeiro RJ - Homenagem a Van Gogh, na Dbieler

  • 1992 - Sabará MG - Sabará dos Tempos, Do Ouro ao Aço, no Espaço Cultural Fundação Belgo-Mineira

  • 1992 - Rotterdam (Holanda) - Homenagem a Van Gogh, no World Trade Center

  • 1992 - Auvers-sur-oise (França) - Homenagem a Van Gogh, no Musée Daubigny

  • 1992 - Londres (Inglaterra) - Homenagem a Van Gogh, na White Leys

  • 1992 - Londres (Inglaterra) - Homenagem a Van Gogh, na Atrium Gallery

  • 1992 - Pequim (China) - Homenagem a Van Gogh, no Palácio Imperial

  • 1992 - Tóquio (Japão) - Homenagem a Van Gogh, na The United Nations University

  • 1992 - Paris (França) - Homenagem a Van Gogh, na Galerie Debret

  • 1993 - Bogotá - Homenaje a Van Gogh, no Museu de Arte Moderno

  • 1995 - Belo Horizonte MG - Retratos, na Pace Galeria

  • 1995 - Miami (Estados Unidos) - Individual

  • 1995 - Salvador BA - Flores, na MCR Galeria de Arte

  • 1996 - Porto Alegre RS - Mutações : Retratos de Bracher, na Galeria Tina Zappoli

  • 1996 - Londres (Inglaterra) - Individual

  • 1998 - São Paulo SP - Individual, no IEB/USP

  • 1998 - Brasília DF - Individual, no Espaço Cultural Zumbi dos Palmares da Câmara dos Deputados

  • 2001 - Belo Horizonte MG - Cinco Vezes Bracher, no Museu de Arte da Pampulha

  • EXPOSIÇÕES COLETIVAS

  • 1957 - Juiz de Fora MG - Salão Municipal de Belas Artes

  • 1959 - Juiz de Fora MG - Salão Municipal de Belas Artes - medalha de bronze

  • 1959 - Rio de Janeiro RJ - 10º Salão Nacional de Belas Artes

  • 1960 - Rio de Janeiro RJ - 11º Salão Nacional de Belas Artes - medalha de bronze em escultura

  • 1963 - Rio de Janeiro RJ - 14º Salão Nacional de Belas Artes

  • 1963 - Belo Horizonte MG - Coletiva, no Salão da Secretaria de Educação

  • 1963 - Juiz de Fora MG - Salão Municipal de Belas Artes - medalha de prata

  • 1965 - Juiz de Fora MG - Salão Municipal de Belas Artes - medalha de ouro

  • 1965 - Belo Horizonte MG - Coletiva, no Salão da Secretaria de Educação

  • 1967 - Belo Horizonte MG - Coletiva, no Salão da Secretaria de Educação

  • 1967 - Juiz de Fora MG - Salão Municipal de Belas Artes - sala especial

  • 1967 - Rio de Janeiro RJ - 18º Salão Nacional de Belas Artes - prêmio viagem ao exterior

  • 1968 - Buenos Aires (Argentina) - Três Aspectos da Pintura Contemporânea Brasileira

  • 1968 - Montevidéu (Uruguai) - Três Aspectos da Pintura Contemporânea Brasileira

  • 1968 - Lima (Peru) - Três Aspectos da Pintura Contemporânea Brasileira

  • 1969 - Lisboa (Portugal), Coletiva com Juarez Machado

  • 1969 - Rio de Janeiro RJ - A Paisagem Contemporânea Brasileira, no Instituto Brasil-Estados Unidos, IBEU

  • 1969 - São Paulo SP - 1ª Feira de Artes Plásticas, da Associação Internacional de Artes Plásticas, no Hilton Hotel

  • 1970 - Paris (França) - Salon Saint Honoré - Matignon, na Galerie Transposition

  • 1970 - Paris (França) - Coletiva, na Galerie Bernhein-Jeune

  • 1971 - Rio de Janeiro RJ - 50 anos de Arte Brasileira, no MAM / RJ

  • 1972 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Instituto Brasil-Estados Unidos, IBEU

  • 1973 - São Paulo SP - Panorama Atual da Arte Brasileira, no MAM/SP

  • 1973 - Belo Horizonte MG - Salão Global, no Museu de Arte

  • 1974 - Belo Horizonte MG - Valores Permanentes das Artes em Minas, na Galeria AMI

  • 1975 - Belo Horizonte MG - 10 Artistas Nacionais, na Galeria AMI

  • 1976 - Belo Horizonte MG - 4º Salão Global, no Palácio das Artes - sala especial

  • 1976 - Belo Horizonte MG - Salão Nello Nuno, no Palácio das Artes - sala especial

  • 1976 - São Paulo SP - Panorama Atual da Arte Brasileira, no MAM/SP

  • 1976 - Belo Horizonte MG - Artistas Mineiros, nas Faculdades da UFMG

  • 1977 - Belo Horizonte MG - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Palácio das Artes

  • 1977 - Belo Horizonte MG - A Paisagem Mineira, no Palácio das Artes

  • 1977 - Juiz de Fora MG - exposição inaugural, na Capela Galeria de Artes

  • 1979 - Belo Horizonte MG - Coletiva com Álvaro Apocalypse, na Galeria AMI

  • 1980 - Brasília DF - Destaques Hilton de Pintura, na Fundação Cultural

  • 1980 - Belo Horizonte MG - Destaques Hilton de Pintura, no Palácio das Artes

  • 1980 - Rio de Janeiro RJ - Destaques Hilton de Pintura, no MAM/RJ

  • 1980 - São Paulo SP - Destaques Hilton de Pintura, no MAM/SP

  • 1981 - Juiz de Fora MG - Os Bracher, na Galeria Pró-Música

  • 1981 - Belo Horizonte MG - Arte Mineira em Destaque, no Palácio das Artes

  • 1981 - Belo Horizonte MG - 8º Salão Global, no Palácio das Artes - sala especial

  • 1981 - São Paulo SP - Coletiva, no MAM/SP

  • 1981 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no MAM/RJ

  • 1981 - Brasília DF - Coletiva, na Fundação Cultural de Brasília

  • 1982 - Rio de Janeiro RJ - Primavera com Flores, no Cláudio Gil Studio de Arte

  • 1983 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retrato na Pintura Brasileira, no Banerj

  • 1983 - São Paulo SP - Panorama Atual da Arte Brasileira, no MAM/SP

  • 1983 - Santiago do Chile (Chile) - Coletiva com Fani Bracher

  • 1984 - Curitiba PR - Coletiva de inauguração - na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1984 - Rio de Janeiro - Toma de Minas a Estrada, no Hotel Nacional

  • 1984 - Belo Horizonte - exposição de inauguração, na Galeria CEMIG

  • 1984 - Belo Horizonte MG - O Rosto do Herói, no Palácio das Artes

  • 1984 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retrato, na Aliança Francesa

  • 1984 - Rio de Janeiro RJ - Pintura Brasileira Atuante, na Petrobrás

  • 1984 - Brasília DF - Pintura Brasileira Atuante, na Fundação Cultural

  • 1985 - Rio de Janeiro RJ - O Retrato do Colecionador Gilberto Chateaubriand e os Auto-Retratos, no Banerj

  • 1985 - Belo Horizonte MG - O Retrato do Colecionador Gilberto Chateaubriand e os Auto-Retratos, na Galeria CEMIG

  • 1985 - Curitiba PR - Cor e Lirismo (Bracher, Marx e Fang), na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1986 - Belo Horizonte MG - 18º Salão Nacional de Arte, no Museu de Arte - sala especial

  • 1986 - Rio de Janeiro RJ - Pintura e Poesia, na Galeria do BNDES

  • 1987 - Rio de Janeiro RJ - Entre dois Séculos (Coleção Gilberto Chateaubriand), no MAM/RJ

  • 1987 - São Paulo SP - O Ofício da Arte : A Pintura, no SESC Pompéia

  • 1987 - Curitiba PR - Artistas Contemporâneos, na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1995 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Nuance Galeria de Arte

  • 1995 - Fortaleza CE - 46º Salão de Abril

  • 1995 - Minas Gerais - Minas, da Terra ao Homem, no 14º Congresso de Medicina Física e Reabilitação

  • 1995 - São Paulo SP - 14ª Exposição de Artistas Contemporâneos da Sociarte

  • 1995 - Minas Gerais - A Paisagem de Minas, na Galeria da Turminas

  • 1995 - São Paulo SP - Brasil, Japão, Arte, na Fundação Mokiti Okada

  • 1995 - Rio de Janeiro RJ - Paisagem mineira. Minas além das Gerais

  • 1996 - Rio de Janeiro RJ - Duas Vezes Minas - Fani e Carlos Bracher, no Centro Cultural Banco do Brasil

  • 1996 - Porto Alegre RS - Natureza Humana, na Galeria Tina Zappoli

  • 1996 - Londres (Inglaterra) - Coletiva, na Cynthia Bourne Gallery

  • 1999 - Curitiba PR - Destaques da Pintura Brasileira, na Simões de Assis Galeria de Arte

  • 1999 - São Paulo SP - 6º Salão de Arte e Antiguidade de São Paulo, na Sociedade Hebraica

  • 2000 - Brasília DF - Coletiva com Fani Bracher, na Sala de exposições do Espaço Cultural da Câmara dos Deputados

  • 2001 - Belo Horizonte MG - Mostra dos Grandes Mestres da Pintura Nacional, na Galeria Michelângelo
  •   
      :: Conheça as obras do artista